A Nova MPB

Hoje quero republicar aqui uma entrevista muito interessante que o Fred Coelho, professor e pesquisador de música, deu para o Diário do Nordeste. Fred sintetizou bem a discussão sobre a “Nova MPB”.

Ruptura e renovação

Publicado em 4 de setembro de 2011 no Diário do Nordeste

Respondendo por e-mail, pesquisador falar das tensões e aproximações, entre a geração da MPB dos anos 60 e os artistas mais jovens

> Ultimamente, muito se tem falado sobre a chamada “Nova MPB”. O que na verdade consiste esse momento? Ele é caracterizado pela ruptura ou pela continuidade?

O que chamamos de “Nova MPB” é a forma como se encontrou para dar conta de uma produção intensa e extensa, em qualidade e quantidade, de uma geração que chegou ao momento maduro de sua produção. A mesma geração que, desde meados dos anos 1990 (e, por isso, um marco sempre evocado é o Manguebeat, quando uma cena musical local como a de Recife incorporou os dados da eletrônica, ganhando projeção nacional fora dos meios já conhecidos de divulgação das grandes gravadoras e da grande mídia) precisou se reinventar dentro da crise da indústria fonográfica e do admirável mundo novo dos novos recursos digitais de gravação, reprodução e circulação da mercadoria música. Uma geração que entendeu o processo e passou a produzir de forma orgânica, juntando forças, trocando ideias e colaborando não apenas para sua carreira, mas para todo um campo de produção e fruição. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em música

A São Paulo de João Artacho Jurado

Hoje o Urbanices vem com um tema bem urbano: prédios. Totalmente por acaso ontem, assisti um programa no GNT sobre arquitetura (Casa Brasil?) que tinha como foco o Isay Weinfeld, um arquiteto que respeito muito e gosto de tudo que descubro que é dele. Nesse programa, o Isay, um admirador da versatilidade do urbanismo de São Paulo, onde tudo cabe, se encaixa, e compõe a cidade, falou de João Artacho Jurado, “criador” de vários prédios interessantíssimos e super exóticos construídos em sua maioria nas décadas de 40 e 50.  Para o Isay, os edifícios do Artacho tem “humor” e “graça”, algo necessário e bastante ausente na arquitetura atual. Assim que vi as imagens dos prédios pela TV, fiquei completamente apaixonada pelo estilo criado pelo Artacho Jurado e imediatamente me bateu uma vontade súbita de ir a Sampa só pra observar estes prédios com a atenção devida. Não precisa muito pra atiçar minha paixão por São Paulo… Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em cidade

4 Razões para adorar crianças asiáticas

Eu acho bebê asiático a coisa mais linda do mundo, todos eles, os chineses, os japoneses, os tailandeses, todos-todos-todos. Agora te dou mais quatro razões em vídeo para concordar comigo que os bebês (e as crianças em geral) asiáticas são o máximo!

Razão 1:

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em música

deliciosas diferenças da lingua portuguesa – um aperitivo

Se tem uma coisa que me divirto é com as diferenças entre o português falado pelas diversas nações lusas. Abaixo reproduzo delicioso mini-diálogo com uma amiga que mora atualmente em Angola, mas que viveu em Portugal toda a sua vida.

amiga – Chiça! O facebook é uma maravilha. Bué amigos perdidos que já encontrei por estas paragens:-)

eu –  Chiiiiiça!!!! O que quer dizer isso?

amiga – Chiça=bolas. Serve para o vosso “nossa”.

eu – chiiiiiça!

amiga – E há ainda quem use a expressão: chiça penico! Mas isso é para os labregos:-)

Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em cidade

Quando a covardia vira “legítima defesa”

Costumo escrever sobre assuntos mais leves, mas a minha revolta é tão grande com o que aconteceu no Massa Crítica, que senti a necessidade de escrever sobre isso. Eu ainda não tinha visto o vídeo do atropelamento em massa que aconteceu em Porto Alegre na sexta. Eu não sabia que as imagens eram tão chocantes… Tomei um susto. Foi uma mistura de choque com o acidente em si com uma revolta e indignação com um ato tão covarde e injustificável.

As imagens feitas por um ciclista são bem claras… Pessoas pacificamente andando de bicicleta em grupo, sorrindo, nenhum ato de violência no prostesto, nada, mais pacífico impossível… Do nada, esse monstro passa atropelando dezenas de pessoas e pra completar, não presta socorro. É, esperar que depois de ato tão covarde e desumano este monstro fosse parar era esperar demais…

Choque maior foi hoje ao ler que o monstro se apresentou na delegacia alegando ter sido legítima defesa, que ele fez isso para defender a vida dele e do filho de 15 anos dentro do carro. Eu só queria saber legítima defesa de agressão do quê quando o vídeo mostra claramente que não tem nenhum movimento estranho, nenhum barulho, nenhuma violência, NADA que possa comprovar esta alegação absurda de que seu carro estava sendo agredido e que um vidro foi quebrado. São dezenas de pessoas contra um monstro. E ai justiça? Vai acreditar em quem?

Tenho pena desse filho de 15 anos, que provavelmente teve que compactuar com a versão insana de um pai covarde. Desculpem o tom, mas estou realmente revoltada.

Abaixo o vídeo. Aviso: as imagens são fortes!

1 comentário

Arquivado em cidade

Crônicas do Rio n. 0

Crônica 1 (ou mini-crônica)

Copacabana: 16 horas: 34C de temperatura.

Numa esquina, cantora sentada em um pitoco com um carrinho ao lado vendendo seus discos tocados pelo amplificador preso ao carrinho, tenta explicar aos berros para um vendedor ambulante o que era uma mezzo-soprano. Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em cidade

Sobre o “meme” classe média fascista

Desde a última campanha presidencial tenho escutado essa nova(?) forma de adjetivar a classe média carioca chamando-a de fascista. Daquelas coisas que, um dia alguém chamou, e pegou tanto que agora pra qualquer coisa, a classe média carioca é referida como fascista. O termo creio eu, tenha ficado forte depois do sério caso de preconceito contra nordestisnos que aconteceu com o resultado das eleições para presidente, assim como os ataques covardes feitos à presidente eleita Dilma durante sua campanha. E foi algo horrível mesmo, pessoas desandaram a dizer coisas na internet e no twitter que eu particularmente nunca pensei em encontrar assim dessa forma escancarada. A série de acontecimentos violentos no Rio de Janeiro recentemente trouxe de volta este mesmo tipo de discurso, esse mesmo debate, e isso num espaço de tempo muito curto. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em cidade